Você precisa ler Valsa brasileira, de Laura Carvalho, para ontem

Avaliação: 4 de 5.

Não há muito o que escrever sobre o Valsa brasileira: do boom ao caos econômico, da economista brasileira Laura Carvalho, além de que é um livro absolutamente essencial para se entender o que aconteceu com o Brasil nos últimos vinte anos. Do boom iniciado no governo Lula, com o ápice do Milagrinho em seu segundo mandato, à derrocada no governo de Dilma Roussef, Carvalho explica, sem dourar a pílula e mantendo sempre o olhar humanista, como a economia nacional caminhou para a crise atual, as causas de cada momento, os erros e acertos e até mesmo os momentos de certa sorte – caso da idade de ouro das commodities durante a primeira década do século.

Para quem não é da área, como eu, a linguagem é suficientemente acessível e conceitos como o do tripé econômico, juros, inflação, ajuste fiscal, câmbio flutuante e outros terminhos técnicos afins, não são de forma alguma obstáculo para o entendimento da grande encrenca em que nos metemos.

Entre os inúmeros destaques e notas que fiz ao ler, vou tentar seduzir você com um trecho, já bem adiantado na leitura, e que me parece resumir o espírito da obra:

Para além da corrupção ou da ineficiência, três são as características do Estado brasileiro que deveriam ser rejeitadas por uma sociedade que ainda tem alguma pretensão de desenvolver-se de forma democrática. A primeira e mais urgente é a do Estado opressor, um verdadeiro serial killer de assentados rurais, índios e jovens negros e pobres das favelas e periferias urbanas. A segunda é a do Estado penitenciário, que encarcera em massa e leva à superlotação de nosso sistema prisional. A terceira é a do Estado concentrador de renda. Além de pagar juros altos para os detentores de títulos da dívida pública, de tributar muito o consumo e pouco a renda e o patrimônio e de tolerar a sonegação e a elisão fiscal de empresas privadas, o Estado brasileiro ainda paga supersalários a uma parte dos seus funcionários.

Dia 6 de dezembro foi um grande dia!

0

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.